Ex-estudantes do ensino integral de Pernambuco relatam experiência escolar

Ex-estudantes do ensino integral de Pernambuco relatam experiência escolar

O modelo de educação em tempo integral propõe o desenvolvimento do currículo que vá além do desempenho escolar e envolva dimensões afetivas e emocionais, dialogando com o meio sociocultural e familiar em que o estudante está inserido.

 

No Acre, as aulas recentemente iniciadas sob novo conceito, tiveram a mediação de ex-estudantes de estados que avançaram no quesito ensino desde a implantação das aulas integrais, a exemplo de Pernambuco, o pioneiro, que atualmente possui mais de 300 escolas integrais num universo de cerca de mil colégios estaduais.

 

Intitulados de protagonistas, os jovens vieram ao Acre realizar o acolhimento dos alunos e tiveram contato diário por uma semana para propagar suas experiências, para que a partir dessa vivência elas se multipliquem.

 

No Instituto Lourenço Filho, por exemplo, um total de 12 protagonistas, que no momento ou cursam ou já concluíram o nível superior, foram enviados pelo Instituto de Corresponsabilidade pela Educação (ICE), responsável pela prestação de consultoria às escolas que adotam esse modelo no Brasil.

 

O aprendizado que também se pode ensinar

 

“A estratégia do acolhimento não tem como falhar, por se tratar de jovem falando diretamente para jovem, sobre sonhos, sobre possibilidades, sobre quão transformadora pode ser a experiência de traçar as próprias metas e de ser o principal autor da própria história. E o retorno que tivemos aqui foi algo muito recompensador e impressionante”, pontuou o jovem pernambucano Gilberto Romeiro, 23 anos, acadêmico de Ciências Sociais.

 

Também protagonistas pelo ICE de Pernambuco, Akyla Tavares e Catharina Florêncio, de 18 e 20 anos, respectivamente, atribuem conquistas pessoais como a escolha do curso superior à boa formação adquirida no ensino integral. Akyla também é acadêmico de Ciências Sociais e Catharina optou por Engenharia de Minas.

 

“Graças à equipe escolar que tive eu cheguei à decisão por qual área atuar. O modelo de gestão do ensino integral é determinante pra ajudar os jovens nesse processo da autodescoberta e, principalmente, de ter segurança sobre as próprias decisões que nortearão seu futuro”, declara Catharina.

 

Para Akyla, o maior ganho que os jovens podem ter com esse padrão de ensino é o olhar humanista que cada um deve ter acerca de si mesmo.

 

“Isso vai além de apenas ter conhecimento ou de ter uma profissão. A gente aprende a analisar em qual área se dá melhor, o que realmente fascina, pra que em cima disso se possa construir um projeto de vida. Então, com base nessas questões que envolvem o lado humanista e o do conhecimento é que se trabalha o conceito de educação, ou seja, a junção de tudo isso”, observou.

 

Escola Jovem no Acre

 

Sete escolas públicas do estado tiveram a implantação do ensino integral. No programa Escola Jovem, o governo está investindo R$ 28 milhões. Desses, R$ 7 milhões são provenientes de verba federal, os outros R$ 21 milhões são recursos próprios do Estado.

 

Nesta primeira etapa em que apenas o ensino médio terá a metodologia, o objetivo é beneficiar cerca de 4.000 alunos. Já a meta para 2018 é que o modelo se estenda para o ensino fundamental e também para a zona rural.

 

O programa tem como base de metodologia quatro princípios educativos. Um deles é protagonismo juvenil, que coloca o aluno como agente principal de todo o processo. Também a pedagogia da presença, que trabalha a formação mais ampla do aluno, desde as emoções até as competências.

 

É importante, ainda, observar os pilares da educação, o que se resume em estimular o aluno a conhecer, aprender a fazer, a conviver e a ser, e, por fim, a educação interdimensional, que torna o professor um orientador para ajudar o aluno a desenvolver suas habilidades, estabelecendo a relação sinérgica entre escola, família e sociedade.

 

O alvo é fazer com que os estudantes tenham a capacidade de se visualizar em um projeto de vida estabelecido por eles mesmos e que a escola seja apenas corresponsável pela evolução desse processo.